segunda-feira, 27 de setembro de 2010

CERVICITE

Conceito: Infiltrado inflamatório composto de uma mistura de leucócitos polimorfonucleares e células monucleares na endocérvix.
Etiologia: Presença potencial de microorganismos que podem ser clinicamente importante, como infecções especificas por gonococos, clamídias, micoplasmas e vírus do herpes simples (principalmente tipo 2).
Patogênese: O crescimento das bactérias produz uma queda no pH da vagina. A endocérvix exposta é sensível a essas mudanças químicas, e a flora bacteriana responde por meio de alterações, que inclui a proliferação das células de reserva, a qual leva à metaplasia escamosa. Esse processo de transformação de revestimento colunar para escamoso também é desencadeado por traumas ou por outras infecções que ocorrem durante o ciclo reprodutivo da vida da mulher e esta invariavelmente associada a infiltrados inflamatórios.
Alterações Morfológicas Macroscópicas: Os correlatos patológicos das cervicites aguda e crônica incluem espongiose do epitélio, edema da submucosa e uma combinação de alterações epiteliais e estromais.
Alterações Morfológicas Microscópicas: A cervicite aguda é caracterizada por células de inflamação aguda, erosão e alteração epitelial reativa ou reparadora. A cervicite crônica compreende uma inflamação geralmente composta de células mononucleares, principalmente, linfócitos, macrófagos e plasmócitos. Também pode haver necrose e tecido de granulação.
Alterações Funcionais: Ulceração, inflamação, corrimento.

A oncose/apoptose, a calcificação e os distúrbios hemodinâmicos são fenômenos ausentes. A Pigmentação e as neoplasias possuem presença, porem, irrelevantes. A degeneração possui presença com fator secundário. A O crescimento e a diferenciação possuem presença moderada com fator primário. O reparo possui forte presença no fenômeno. E a inflamação é o fenômeno principal.


Postado por: Taynara

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário